sexta-feira, junho 09, 2006

Quanto basta

Não foi mais do que um abraço, um beijo no ombro, um sinal de “estou aqui, podes disparatar à vontade”… foi quanto bastou para as lágrimas correrem, para despejar as minhas dores, as minhas incertezas, o medo que trazia de casa, escondido, a formar uma bola no peito.
Tentavas distrair-me, com coisas do quotidiano, mas estava sempre lá qualquer coisa, a moer, a causar-me um cansaço de tudo, um pressentimento, a doer baixinho…
Era meia-noite, e do outro lado da linha confirmavam-me o que eu não queria saber, mas já sabia.
E tu estavas lá, em silêncio. Deixaste-me chorar, sofrer para mim… e depois abraçaste-me.
.
Com força...
.
Muitas vezes é quanto basta.

5 comentários:

Nelinha disse...

é quanto basta mas é melhor assim..digo-te eu ;)**

Fontez disse...

às vezes basta, outra não.
...
os sentimentos tocam-se?
dear Nandita, propunha que construisses uma historia como faz a ImpressaoDigital, com o seu belo diario de um suicida.
Tu tens jeito pra escrita, constroi uma historia!!;)
serei um leitor permanente e ansioso!!
bjs, inté..

André Ferreira disse...

O abraço é o fim desejado das palavras e a libertação dos sentimentos?
beijinhos

o_rapaz disse...

"muitas vezes é quanto basta"...

como tens razão, nandita..

,espero que encontres sempre esse silêncio seguro, esse "quanto basta", que te permite explodir em sentir..e voltar a ti, serena..

bj

impressaodigital disse...

um abraço seguro, de reconforto...
o meu não seria igual, mas seria sentido.
o silêncio é nestas alturas o apoio que precissamos.
um forte abraço para ti...